publicações

Como fazer a declaração de Imposto de Renda 2017

A Receita Federal já disponibilizou o programa do Imposto de Renda 2017 para que os contribuintes façam as suas declarações. Mas todo ano os brasileiros ainda deixam para preencher a declaração no final do prazo, passando por dificuldades de conexão entre o computador pessoal e o servidor da Receita, devido ao alto número de acessos.

Assim, é bom você fazer tudo com calma, buscando conhecimento e se programando desde já. Este artigo vai te ajudar nessa tarefa. Confira!

Quem deve declarar o Imposto de Renda 2017?

A regra para 2017 é de que o imposto vale para todas as pessoas que tiveram rendimentos tributáveis em valor superior à R$ 28.123,91 no ano de 2016 — isso representa R$ 2.343,66 por mês.

Além disso, também devem declarar contribuintes que tiveram rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados na fonte. Nesse caso, a regra só é válida para somas superiores a R$ 40 mil.

Por fim, aqueles que tiveram ganhos de capital com alienação de bens ou direitos ou realizaram operações em bolsas de valores também devem fazer a declaração da receita.

Como organizar os documentos para fazer a declaração?

O grande problema de muitos brasileiros no momento de fazer a declaração do Imposto de Renda é a quantidade de dados exigidos pelo programa. Mas isso pode ser contornado facilmente se você separar os documentos antecipadamente.

Para isso, você deve saber quais documentos ter em mãos na hora de preencher a declaração. Os documentos referem-se ao ano-base 2016. Veja a lista:

  • Cópia da declaração do ano anterior, impressa ou em arquivo digital;
  • Título de Eleitor, para quem for fazer a primeira declaração;
  • Informativo de rendimentos, fornecido pelo empregador;
  • Cópia de recibos ou notas fiscais de prestação de serviço, se for o seu caso;
  • Livro-caixa, se for o seu caso;
  • Informativo de rendimentos de benefícios previdenciários, fornecido pelo INSS ou instituição de previdência privada;
  • Extrato de rendimentos financeiros, fornecido por bancos e instituições financeiras;
  • Informe de contribuição para previdência privada;
  • Recibos de gastos escolares do contribuinte ou dependentes;
  • Recibos de aluguéis pagos ou recebidos;
  • CPF ou CNPJ dos beneficiários de despesas com saúde;
  • Nome, CPF e valores referentes a doações ou heranças;
  • CPF dos dependentes maiores de 14 anos;
  • CPF de filhos e ex-cônjuges para comprovar o pagamento de pensão alimentícia;
  • Dados referentes ao empregado doméstico;
  • Escrituras ou contratos de compromissos de compra e venda de imóveis;
  • Documento de compra ou venda de veículos e CPF/CNPJ do comprador ou vendedor; e
  • Documentos sobre rescisões trabalhistas, incluindo dados de salários, férias, 13º salário e FGTS.

Quais as datas e prazos do Imposto de Renda 2017?

A Receita Federal já informou o cronograma para o Imposto de Renda deste ano. Ficar atento às datas é muito importante para não perder prazos e ter que pagar multas e juros.

O cronograma tem as seguintes datas e eventos:

Data Evento
20/janeiro/2017 Disponibilização de programas auxiliares para download (Carnê-Leão e Ganho de Capital)
23/fevereiro/2017 Disponibilização de Programa Gerador da Declaração do Imposto de Renda 2017 para download
02/março/2017 Início das atividades de recebimentos das declarações pela Receita
02/março/2017 Disponibilização do aplicativo do Imposto de Renda 2017 (m-IRPF) e declarações pré-preenchida
28/abril/2017 Fim do prazo para entrega das declarações

Por que fazer logo o Imposto de Renda 2017?

Este artigo mostrou quem deve fazer a declaração, quais documentos devem ser separados para isso e quais as datas e prazos da Receita Federal para o Imposto de Renda 2017.

Lembre-se de que você deve evitar ao máximo omitir rendimentos, pois provavelmente a tecnologia do fisco vai identificar essas receitas e enviar seu nome para a “malha fina”. Também é muito importante prestar atenção aos dados digitados para evitar erros. Em relação a deduções, só inclua despesas que podem ser efetivamente comprovadas.

Outra dica é relacionada ao crescimento do seu patrimônio, que deve ser compatível com os rendimentos auferidos. Por fim, saiba que não é complicado utilizar o programa: em apenas 5 passos, você pode preparar sua declaração.