você provavelmente já ouviu falar em taxa de juros, não é mesmo? Apesar de ser um termo popular, nem todo mundo sabe exatamente o que são taxas de juros. Afinal, como calculá-las? Qual é a finalidade delas?

Pensando na importância desse tema, criamos este artigo. Ao longo do texto, você vai ver quais são os principais tipos de juros, como eles funcionam e de que maneira eles afetam seu bolso e seus investimentos. Vamos lá?

O que é taxa de juros e como funciona?

Antes de tudo, você precisa enxergar os juros como uma relação entre uma quantidade de dinheiro e um determinado período de tempo.

Então, em poucas palavras: juros são uma remuneração em forma de percentual paga a quem disponibiliza um empréstimo ou realiza um investimento, por exemplo.

Na prática, eles funcionam como uma compensação pelo tempo em que o dinheiro ficou emprestado ou investido.

Veja só um exemplo: imagine que você pegou emprestado no banco R$5.000,00. O combinado em contrato é que você devolva o valor somado dos juros daqui a 1 ano. Então, na hora de devolvê-lo à instituição, você pagará um valor acima do que pegou emprestado.

Digamos que, nesse caso, após os 12 meses combinados você pagou de volta R$5.800,00. Portanto, o percentual da taxa de juros nesse exemplo foi de 16% ao ano.

Percebeu aqui? A taxa de juros está diretamente ligada à diferença entre o valor emprestado e o valor devolvido. No exemplo que utilizamos, a diferença entre o valor inicial e a quantia paga 1 ano depois foi de R$800. Podemos dizer, então, que esses R$800 foram os juros acumulados no período.

Não é tão complicado assim, concorda? É muito importante saber como funciona uma taxa de juros porque elas estão presentes em diversos momentos do nosso dia a dia, como cheque especial, cartão de crédito, aplicações financeiras, empréstimos e por aí vai.

Entenda quais são os principais tipos de juros

Nós demos um exemplo agora pouco para te ajudar a entender como funciona a taxa de juros da forma mais básica possível. Mas o que nem todo mundo sabe é que existem diferentes tipos de juros. Veja só:

Juros simples

Os juros simples são negociados com antecedência e não mudam com o passar do tempo. Eles se refletem apenas no valor inicial do empréstimo ou do investimento.

Juros compostos

Esse tipo também é conhecido como “juros sobre juros”, isto é, eles continuam agindo durante todo a duração do empréstimo, débito ou investimento. Dessa forma, a soma é feita sobre o valor inicial e também sobre os juros dos meses anteriores.

É esse tipo de juros que causa pavor em muitas pessoas endividadas, especialmente no cheque especial, porque provoca um efeito de bola neve em que quanto mais tempo o débito se mantém maior fica o valor a ser pago.

Juros de mora

Juros de mora ou moratória reincidem sobre o valor de acordo com o período de atraso. Ou seja, quem não paga o combinado dentro do prazo deve arcar com essa indenização adicional.

Juros nominais

Os juros nominais envolvem as correções monetárias sobre o valor em questão. Boa parte dos financiamentos é calculada levando em conta esse tipo de juros, porque ele considera a inflação do momento.

Juros reais

Funcionam de maneira contrária aos nominais — não incluem correção monetária e inflação em seu cálculo. Consequentemente, se a inflação em um período for igual a zero, tanto os juros nominais quanto os juros reais terão o mesmo valor.

Juros rotativos

Nada mais é do que uma cobrança por atraso no pagamento da fatura do cartão de crédito ou de um financiamento. Se possível, é melhor evitá-lo para ficar longe de complicações financeiras. Por isso, não abra mão de um bom planejamento financeiro pessoal.

Juros sobre capital próprio

Esse tipo de juros é calculado com base no lucro obtido por uma empresa. Geralmente, empresas distribuem pelo menos parte desse valor a seus acionistas.

Qual a diferença entre taxa fixa e taxa variável?

Taxa fixa e variável são termos muito usados em financiamentos habitacionais, mas também têm muito a ver com outras áreas. Se você pretende investir em títulos do Tesouro Direto, por exemplo, vale a pena conhecê-las mais a fundo.

Taxa variável

Em negociações feitas com taxas variáveis, os juros cobrados podem variar ao longo do tempo. Com esse tipo de taxa, é praticamente impossível saber exatamente os rumos que os juros vão tomar. É uma incerteza, que pode trazer resultados bons ou ruins, dependendo das variações ocorridas.

Podemos dizer que os investimentos classificados como pós-fixados têm um funcionamento muito semelhante ao dessas taxas. Por exemplo, um título de Tesouro pós-fixado pode estar vinculado à taxa Selic. E portanto, se a taxa Selic cai, a rentabilidade do Tesouro Selic também cai.

Taxa fixa

Como o próprio nome sugere, a taxa fixa é o oposto do que acabamos de explicar no tópico acima. No momento de investir ou fazer um empréstimo, você já sabe quais serão os juros aplicados. Ou seja, não existem surpresas negativas ou positivas — você pode prever tudo e se planejar.

No universo das aplicações financeiras, elas funcionam no estilo prefixado pois você consegue saber com precisão qual será a rentabilidade.

Portanto, por mais que o mercado e economia sofram grandes alterações, as taxas fixas são mantidas durante todo o período contratado. É uma opção mais indicada para quem prefere não correr riscos desse tipo, concorda?

No entanto, é importante ter atenção ao que acontece no Brasil e também lá fora, pois acontecimentos podem atrapalhar o rendimento conquistado com a taxa fixa. Por exemplo, se a inflação sobe muito, o dinheiro aplicado em uma taxa fixa tem grandes chances de valer menos quando for resgatado.

Taxa Selic — conheça a taxa básica de juros do Brasil

taxa Selic também é conhecida como a taxa básica de juros do nosso país. Não à toa, você frequentemente ouve comentários sobre ela nos jornais.

Como é de se imaginar, ela tem uma enorme importância na economia brasileira, porque exerce impacto em outros juros, além de ser um dos principais indicadores utilizados em títulos de renda fixa.

O valor da Selic é definido pelo próprio Banco Central, a partir da reunião do COPOM (Comitê de Política Monetária) que acontece a cada 45 dias. É com base nessa taxa que os bancos se baseiam para definir os juros que serão cobrados de seus clientes em empréstimos, por exemplo.

Como as taxas de juros influenciam o seu bolso?

As taxas de juros estão presentes no cotidiano mais do que podemos imaginar. Como explicamos ao longo do texto, elas se relacionam a empréstimos, cartão de crédito e itens básicos que consumimos em nossas rotinas.

Por exemplo, se você utiliza o famoso cheque especial, saiba que os juros vão agir no seu débito enquanto você não pagá-lo por completo. E aí que muitas pessoas se enrolam, pois desconhecem ou ignoram o poder que uma taxa de juros tem, especialmente com o passar do tempo.

Além disso, elas também atuam nos investimentos que fazemos. Escolher entre uma taxa prefixada ou pós-fixada, por exemplo, pode ser determinante para que a rentabilidade de seus títulos seja positiva ou deixe a desejar.

Portanto, é importante ficar de olho nas mudanças que elas apresentam e também nas vantagens de cada uma dentro de um cenário específico. Como falamos tantas vezes por aqui, conhecimento e planejamento são a chave para fazer bons investimentos.

FONTE: https://blog.toroinvestimentos.com.br/taxa-de-juros-como-funciona